Saiba como fazer um registro escolar adequado e qual sua ideal importância.

 

28 de setembro de 2017

 

Você já se atentou a importância do registro escolar de sala de aula? Existem várias definições para nos referirmos as documentações, como registros de aulas, histórias, diários, relatórios, observações, etc. Apesar de não terem o mesmo processo e de não serem técnicas iguais, elas descrevem pontos relevantes feitos através da observação e do registro do processo educacional.

Você já se atentou a importância dos registros escolares de sala de aula? Existem várias definições para nos referirmos as documentações

Fonte: https://goo.gl/pKhNcM

Para que entendamos a definição dos registros escolares, algumas observações são feitas:
– Os registros não têm obrigatoriedade de serem feitos diariamente;
– Devem ser feitos pelos próprios professores, em forma de narração;
– O conteúdo da narração é de forma livre e espontânea.

Assim, o registro deve ser uma reflexão da própria prática de ensino, tendo como principal foco a abordagem biográfica. Para que esta reflexão aconteça, deve-se ter em mente que você enquanto professor precisa de uma base teórica em fundamentos e que continue atualizando-se em meio às novas tecnologias. Rosa, destaca: “Muitos indivíduos vão para o mercado de trabalho e permanecem bastante distanciados dos programas de atualização, ficando a troca nos locais de trabalho, e os livros didáticos como fonte exclusiva para adquirir novos conhecimentos”. Para Mizukami, a base de conhecimento para o ensino é abrangente, “consiste de um corpo de compreensões, conhecimentos, habilidades e disposições necessárias” para que o professor possa exercer sua profissão, promovendo aprendizagens significativas, deve-se investir em ações formativas a partir de práticas reflexivas e investigativas na formação inicial do professor.

Dentro desta perspectiva, faz-se notar a enorme importância da história escolar da criança, como esta se construiu nas relações com professores, corpo diretivo e colegas.

Os estudos sobre os registros escolares são componentes que atualmente sofrem defasagem por parte dos educadores, os quais não percebem sua importância como instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional, por falta de esclarecimentos.

A tarefa de fazer registros sobre o cotidiano escolar torna possível o distanciamento da ação e do que está escriturado, ajudando o educador a planejar, revisar e refletir diante da sua prática. Esta reflexão é um ponto importante para análise das competências profissionais, permitindo reajustes permanentes, contribuindo para a identificação de pontos positivos e negativos. Citando Miguel Zabala, “Sem olhar para trás, é impossível seguir em frente”. É isto que os registros podem proporcionar.

O valor dos registros escolares

 

Fonte: https://goo.gl/udCNBE

O valor formativo dos registros acontece a partir do momento em que recodificamos a experiência narrada, reconstruindo-a. Assim, ele oferece também dupla perspectiva sobre o trabalho, a sincrônica e a diacrônica, de forma que se pode avaliar o que está acontecendo diariamente, bem como o acumulado durante um período mais longo.

Ao apresentar uma estrutura narrativa flexível ao modo de escrita do autor, aumentam-se as possibilidades de contribuição da documentação de forma rica e diversificada para cada educador. As narrativas estabelecem alguns padrões:
– A solicitação (corresponde a orientação que se dá do que fazer e de como fazer), ela pode ser feita pelo orientador da instituição ou por conta própria;
– A periodicidade (as anotações costumam ser um árduo e custoso trabalho em questão de tempo e esforço pessoal, no entanto, não precisam ser feitas diariamente, mas regulares, sistemáticas, garantindo assim a continuidade dos fatos e a logicidade dos registros);
– A quantidade (não importa o número de páginas que tenha seu relato, mas sim informações importantes, que permitam uma reflexão sobre o conteúdo);
– O conteúdo (mais reflexivo do que descritivo, mais qualitativo do que quantitativo, também pode ficar a dispor da solicitação ou da orientação que é dada);
– A duração (não existem limitações de tempo e espaço para realização dos registros).

Com tais relatos, disponibiliza-se material de acervo pedagógico e cultural de épocas que poderão ser vistas e estudadas por outros especialistas da educação, tornando-se material rico de pesquisa, servindo como proposta para reflexão e construção de novas técnicas pedagógicas. A tarefa de construção dos relatos compreende o contexto institucional e relacional das atividades escolares como referenciais para a compreensão dos processos envolvidos no espaço escolar.

Dessa forma, através de bons registros, conseguirá acompanhar principalmente aqueles alunos com maiores dificuldades, analisar os dados e assim conseguir realizar uma melhor forma de avaliar e mensurar a capacidade de aprendizagem desse aluno. Além de que, o fato de deixar tudo registrado e documentado sempre te auxiliará perante outros sobre a tua atividade exercida para aquele aluno.

E então? Gostou do nosso post de hoje? Gostaria de acrescentar alguma vivência?
Compartilhe essa ideia e passe em diante essas importantes informações, pois o descuido pode tirar uma vida.

Deixe aqui seu comentário e mais sugestões que teremos grande prazer em lhe atender.

Tutor Renan Costa da Silva

Referências
Zabalza, Miguel A. DIÁRIO DE AULA: Um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Zabalza, Miguel; trad. Ernani Rosa. – Porto Alegre: Artmed, 2004.
Rezende, Márcia Ambrósio Rodrigues. A RELAÇÃO REGISTRO/AVALIAÇÃO NO CICLO DA JUVENTUDE: POSSIBILIDADES E LIMITES NA CONSTRUÇÃO DE UMA PRÁTICA EDUCATIVA INOVADORA Belo Horizonte: 2004. 320 f.: il. BBE Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais Orientadora: Ângela Imaculada Loureiro de F. Dalben.

28 de setembro de 2017

 

Comente, sugira e participe:

 

Os campos com (*) são obrigatórios e seu email não será publicado