Você sabe o que lida a BNCC e suas novas competências gerais? Não deixe de aprender

A BNCC é a Base Nacional Comum Curricular, que foi homologada no dia 20 de dezembro de 2017, é um documento que define os conhecimentos essenciais que todos os alunos da Educação Básica têm o direito de aprender.
Por Maxi Educa 10 maio 2018 - 6 min de leitura
6 min

A BNCC é a Base Nacional Comum Curricular, que foi homologada no dia 20 de dezembro de 2017, é um documento que define os conhecimentos essenciais que todos os alunos da Educação Básica têm o direito de aprender. Prevista em lei, ela deve ser obrigatoriamente observada na elaboração e implementação de currículos das redes públicas e privadas, urbanas e rurais. Sendo aprovada para implementação no Ensino Infantil e Ensino Fundamental.

A BNCC é a Base Nacional Comum Curricular, que foi homologada no dia 20 de dezembro de 2017, é um documento que define os conhecimentos essenciais que todos os alunos da Educação Básica têm o direito de aprender.

Fonte: https://allvideos.me/index.php?a=watch/2nv7wcEFTiw/lancamento-da-nova-bncc-do-ensino-medio

A BNCC, não é um documento que traz atualizações e alterações por si só, mas faz parte de todo um conjunto de Direitos que todos devem ter no Ensino, que está prevista em nossa Legislação Federal:

– na Constituição de 1988,

– na Lei de Diretrizes e Bases,

– nas Diretrizes Curriculares Nacionais, e

– no Plano Nacional de Educação.

A BNCC é uma política de Estado, e não de um governo, construída de maneira democrática e colaborativa, por meio de um processo iniciado em 2015. Seu processo de elaboração foi conduzido pelo MEC, Consed, Undime e CNE, com a participação da sociedade civil, de professores e de gestores. Na elaboração do documento, existiram três etapas de revisão, a partir de sugestões de aprimoramento feitas por especialistas, por educadores e pela sociedade.

Algumas das principais mudanças que a BNCC traz

Dentre as principais mudanças, preocupações e alterações que obtivemos nessa nova posposta trazemos:

– Desenvolvimento integral: as 10 competências gerais norteadoras contemplam aspectos cognitivos, sociais e pessoais a serem desenvolvidos pelos alunos, como pensamento científico, crítico e criativo, capacidade de argumentação, autonomia e resiliência.

– Aprendizagem ativa: cada conhecimento está ligado a uma habilidade que permite ao aluno aplicá-lo a um fim. Há habilidades envolvendo processos cognitivos mais sofisticados como investigar, analisar e criar, em contraposição a outros mais passivos, como lembrar e identificar. Isso favorece o protagonismo do aluno dentro e fora de sala de aula.

– Campo de experiências: constituem um arranjo curricular que acolhe as situações e as experiências concretas da vida cotidiana das crianças e seus saberes, entrelaçando-os aos conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural.

– Progressão na aprendizagem: a progressão das aprendizagens organizada ano a ano deixa mais claro o que se espera que o aluno aprenda e favorece o desenvolvimento de habilidades mais complexas, especialmente nos anos finais do Ensino Fundamental.

Isso demonstra cada vez mais a preocupação em preparar o aluno para as próximas etapas de aprendizagem, ajudando cada vez mais construir seu conhecimento através das próprias experiências já vividas e espaço que esse aluno está inserido.

As 10 competências gerais da educação básica

1. Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.

2. Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

3. Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.

4. Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

5. Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

6. Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

7. Argumentar com base em fatos, dados e informações confiáveis, para formular, negociar e defender ideias, pontos de vista e decisões comuns que respeitem e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo, dos outros e do planeta.

8. Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na diversidade humana e reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e capacidade para lidar com elas.

9. Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

10. Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.

Fonte: http://www.tuneduc.com.br/competencias-gerais-da-bncc/

Mas e aí, como fazer a implementação da BNCC nas redes e escolas?!

Para a BNCC chegar até as salas de aulas temos caminhos a trilhar para que isso efetivamente aconteça e o real objetivo dela seja atingido. Dessa forma, devemos enquanto profissionais sermos responsáveis por:

fazer uma revisão nos currículos das redes e dos projetos políticos pedagógicos das escolas, atendendo e respeitando o espaço que cada escola está inserida.

realizar uma formação continuada dos professores para que possam fazer uma aplicabilidade com maior sucesso e diretiva.

alinhar os materiais didáticos para garantir que essa implementação atenda as novas mudanças na BNCC validando as competências exigidas em cada disciplina.

alinhar as matrizes das avaliações para que assim como o material valorize as múltiplas inteligências e de cada aluno, respeitando sua identidade desenvolvida em todo processo de ensino.

E a BNCC Ensino Médio?!

A BNCC para o Ensino Médio, devido todas a modificações que vem sendo estudadas e alterações possíveis no sistema do Ensino Médio, ainda está no processo de aprovações, estando nessa fase para a discussão no Conselho Nacional de Educação.

Dessa forma, ela irá caminhar mais um tempo ainda até ser definida, concluída e homologada para a adequação das redes de ensino.

E então? Gostou do nosso post de hoje? Gostaria de acrescentar alguma vivência? Tem algum palpite sobre como acontecerão da melhor forma esse processo de adaptação das escolas?

Compartilhe essa ideia e passe em diante essas importantes informações, pois a leitura é essencial para o aprendizado.

Deixe aqui seu comentário e mais sugestões que teremos grande prazer em lhe atender.

Referências bibliográficas

http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

Tutor: Renan Costa da Silva

Qual sua dúvida ou comentário sobre esse conteúdo?

Os campos com (*) são obrigatórios e seu email não será publicado

Comentários
  • Luís Carlos Freitas 02 ago 2018

    Ando sem acreditar na educação brasileira, essa está longe de causar uma revolução na qualidade da aprendizagem e em produzir conhecimento, uma vez que a BNCC não trará investimentos para uma reforma geral nos ambientes escolares que continuarão péssimos sem nenhuma qualidade e a carreira de professores continua desmotivadora: baixos salários, falta de um bom plano de saúde especialmente nas redes municipais, falta de valorização e respeito ao docente, etc.

  • mm
    Maxi Educa 07 ago 2018

    Bom dia Luís Agradecemos sus participação deixando aqui sua opinião sobre o tema. Temos outros blogs em educação, aproveite e dê uma olhada: http://blog.maxieduca.com.br/quinta-da-educacao/ Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

Quer receber notícias sobre Concursos Abertos? Cadastre-se em nossa newsletter


Sobre nós

Somos o Instituto Maximize de Educação, uma empresa especializada na preparação de Apostilas em PDF e Cursos Online para Concursos Públicos e Vestibulares.

Saiba mais