Você sabe quais são as doenças que correspondem a maior causa de morte no mundo? Fique por dentro e previne-se.

Por Fabíola Gonçalves Yamauchi 26 ago 2016 - 8 min de leitura
8 min

As doenças crônicas correspondem a maior causa de morte no mundo, o que fez com que a OMS (Organização Mundial da Saúde) formulasse estratégias preventivas para seu enfrentamento.

Pair of Human Hands Checking the Blood Pressure of a Patient

O que é uma Doença crônica? é uma doença que persiste por períodos, superior a seis meses e não se resolve em um curto espaço de tempo.

O que é uma Doença não Transmissível: Não transmite de uma pessoa para outra.

As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) são doenças multifatoriais que se desenvolvem no decorrer da vida e são de longa duração. Atualmente, elas são consideradas um sério problema de saúde pública, e já são responsáveis por 63% das mortes no mundo, segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde.

São subdivididas em 4 grupos de doenças:

 

– Cardiovasculares;

– Câncer;

– Doença respiratória crônica (DRC);

– Diabetes

Ranking das Causas de Morte por Doenças Crônicas Não Transmissíveis.

 

cardio Crônicas

As doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte no Brasil e na maior parte de outros países. O câncer ocupa a segunda ou terceira posição nos países desenvolvidos, mas, como o diabetes, encontra-se entre as 10 primeiras causas de morte em vários países (Yach et al., 2004). Essas mesmas causas são de elevada prevalência bem como seus fatores de risco, muito dos quais considerados doenças (hipertensão, diabetes, obesidade).

Fatores de risco para Doença Crônica:

-Fumo,

 -Inatividade física;

– Alimentação inadequada e uso prejudicial de álcool.

 

Determinantes Sociais:

– desigualdades sociais;

– as diferenças no acesso aos bens e aos serviços;

– baixa escolaridade, as desigualdades no acesso à informação.

 

Fatores de risco no Brasil:

 

– Devido aos níveis de atividade física no lazer na população adulta são baixos (15%)

-Alimentação Inadequada: apenas 18,2% consomem cinco porções de frutas e hortaliças em cinco ou mais dias por semana, ingestão de alimentos com alto teor gorduroso, cosumo exacerbado de refrigerantes.

Políticas de DCNT no Brasil em destaque:

 

– Organização da Vigilância de DCNT;

– Política Nacional de Promoção da Saúde;

– Atividade Física – Academia da Saúde;

– Tabaco – Política antitabaco;

– Alimentação;

– Expansão da Atenção Básica;

– Distribuição gratuita de medicamentos para hipertensão e diabetes;

– Ampliação de exames preventivos para os cânceres da mama e do colo do útero.

Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011-2022.

 

Aborda as quatro principais doenças (doenças do aparelho circulatório, câncer, respiratórias crônicas e diabetes) e os fatores de risco (tabagismo, consumo nocivo de álcool, inatividade física, alimentação inadequada e obesidade).

 

Objetivo: Promover o desenvolvimento e a implementação de políticas públicas efetivas, integradas, sustentáveis e baseadas em evidências para a prevenção e o controle das DCNT e seus fatores de risco e fortalecer os serviços de saúde voltados para a atenção aos portadores de doenças crônicas.

Conheça as DCNT (Doenças Crônicas Não transmissíveis).

 

Hipertensão

hipertensão

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial – PA (PA ≥140 x 90mmHg). Associa-se, frequentemente, às alterações funcionais e/ou estruturais dos órgãos-alvo (coração, encéfalo, rins e vasos sanguíneos) e às alterações metabólicas, com aumento do risco de eventos cardiovasculares fatais e não fatais.

Além do diagnóstico precoce, o acompanhamento efetivo dos casos pelas equipes da AB ((Atenção Básica) é fundamental, pois o controle da pressão arterial (PA) reduz complicações cardiovasculares e desfechos como Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), Acidente Vascular Cerebral (AVC), problemas renais, entre outros.

 

Diabetes

diabete

É um transtorno metabólico de etiologias heterogêneas, caracterizado por hiperglicemia (Glimemia alta) e distúrbios no metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, resultantes de defeitos da secreção e/ou da ação da insulina (WORLD HEALTH ORGANIZATION).

DM tipo 1, corresponde por aproximadamente 8% (AMERICAN DIABETES ASSOCIATION).

 Além desses tipos, o diabetes gestacional também merece destaque, devido a seu impacto na saúde da gestante e do feto (AMERICAN DIABETES ASSOCIATION).

É característico em crianças e adolescentes sem excesso de peso. maioria dos casos, a hiperglicemia é acentuada, evoluindo rapidamente para cetoacidose, especialmente na presença de infecção ou outra forma de estresse.

O DM tipo 2 abrange cerca de 90% dos casos de diabetes na população.

Os sintomas costumam ser mais brandos que a DM1. Comum em adultos com longa história de excesso de peso e com história familiar de DM tipo 2. Com o tempo houve um aumento da obesidade atingindo crianças, observa-se um aumento na incidência de diabetes em jovens, até mesmo em crianças e adolescentes.

O termo “tipo 2” é usado para designar uma deficiência relativa de insulina, isto é, há um estado de resistência à ação da insulina, associado a um defeito na sua secreção, o qual é menos intenso do que o observado no diabetes tipo 1. Após o diagnóstico, o DM tipo 2 pode evoluir por muitos anos antes de requerer insulina para controle. Seu uso, nesses casos, não visa evitar a cetoacidose, mas alcançar o controle do quadro hiperglicêmico.

 

Os sinais e sintomas característicos que levantam a suspeita de diabetes são os “quatro P’s”:

Diabetes 4 p

Diabetes 4 ps -2

O diabetes mellitus (DM) não controlado pode provocar, a longo prazo, disfunção e falência de vários órgãos, especialmente rins, olhos, nervos, coração e vasos sanguíneos.

Doenças Referidas como Microvasculares: são específicas do diabetes, como a retinopatia, a nefropatia e a neuropatia diabética.

Tipos de Tratamento

 -Adoção de Hábitos Saudáveis como alimentação balanceada, prática de atividade física, conforme orientação profissional, pois o paciente pode ter queda brusca da glicemia diante de exercício físico intenso.

– Terapia Medicamentosa;

-Insulinoterapia.

 

Neoplasias

Cancer

O câncer é a denominação genérica para as neoplasias malignas.

Tal doença apresenta algumas características que o diferenciam do tecido normal, tais como distúrbio na maturação, imortalidade e perda de inibição por contato, que levam a um crescimento desordenado e descontrolado.

Isto compromete o equilíbrio normal do organismo, com o aparecimento de sintomas e, muitas vezes, leva a pessoa à morte.

O câncer é, atualmente, a segunda causa de morte no mundo ocidental, especialmente nos países desenvolvidos, logo após as doenças cardiovasculares. No Brasil, é a terceira causa de morte.

Levando em consideração a quantidade de mortes, pode ser caracterizado como um problema de saúde pública. A sua prevalência está diretamente relacionada com o aumento da expectativa de vida da população, e sua frequência é maior nas faixas etárias mais avançadas.

Possíveis Causas:

As causas do câncer ainda não estão claramente definidas, há evidências de que as influências de fatores ambientais sejam as principais.

Os agentes carcinogênicos podem ser divididos em: químicos, radiação, vírus e outros. Entre os agentes químicos, temos os alquilantes, hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, aminas aromáticas, corantes azo, nitrosaminas, amidas, afloxina, asbestos, etc

Existem dois níveis de prevenção do câncer: o primário e o secundário.

A prevenção primária engloba a atuação da equipe de saúde junto aos principais fatores de risco do câncer: tabaco, hábitos alimentares e ocupação, enquanto a secundária visa à detecção precoce do câncer.

Tipos de Tratamento:

-Radioterapia

-Quimioterapia, isoladamente ou associadas.

-Cirurgia é o método mais antigo de tratamento do câncer, e continua sendo uma das principais modalidades de tratamento para a maioria dos tumores sólidos.

DRC (Doença Respiratória Crônica).

DPOC

Doenças respiratórias crônicas (DRC) são doenças crônicas tanto das vias aéreas superiores como das inferiores.

São elas:

– asma,

– rinite alérgica

– doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

Representam um dos maiores problemas de saúde mundialmente.

 As DRC estão aumentando em prevalência particularmente entre as crianças e os idosos. Afetam a qualidade de vida e podem provocar incapacidade nos indivíduos afetados, causando grande impacto econômico e social. As limitações físicas, emocionais e intelectuais que surgem com a doença, com consequências na vida do paciente e de sua família, geram sofrimento humano.

Fatores de Risco

 

-Tabagismo,

-poluição ambiental,

-alergenos,

– agentes ocupacionais

– algumas doenças como esquistossomose e doença falciforme podem ser citados como fatores de risco preveníveis para DRC.

 Além disso, pneumonia, bronquiolite e tuberculose, por causarem cicatrizes nas vias aéreas, também podem ser consideradas fatores de risco com impacto significativo sobre essas doenças. O aumento na expectativa de vida representa fator de risco independente para esse grupo de doenças.

Sintomas

-Tosse

-Expectoração: Eliminação de secreção.

-Hemoptise : (Sangue proveniente dos pulmões, traquéias)

-Sibilância (chiado, chieira, piado)

-Dor torácica

-Taquipneia e dispneia: ( Aumento da frequência respiratória e dificuldade de respirar)

Sinais

-Cianose ( Coloração azulada, pele e mucosa)

-Baqueteamento digital ( Espessamento das carnes que ficam sobre as unhas)

-Respiração bucal( Dificuldade de respirar pelas narinas, a respiração é feita fela boca)

Tratamento

Medicamentos como antibióticos, corticosteróides e broncodilatadores.

Gostou desse post??? Nos dê dicas e sugestões para elaboração de próximos materiais.

Qual sua dúvida ou comentário sobre esse conteúdo?

Os campos com (*) são obrigatórios e seu email não será publicado

Comentários
  • Veridiana 23 maio 2019

    São só essas as doenças cronicas não transmissíveis?

  • mm
    Maxi Educa 03 jun 2019

    Olá Veridiana, tudo bem? As Doenças Crônicas são aquelas doenças que possuem evolução lenta e de longa duração, ou seja, não se resolve em um curto espaço de tempo. As DCNT são consideradas multifatoriais, já que possuem diversos fatores determinantes, dentre as principais temos, as doenças cardiovasculares, as doenças respiratórias crônicas, o diabetes mellitus e as neoplasias, todas possuem quatro fatores de risco em comum: o tabaco, a alimentação não saudável, a inatividade física e o consumo nocivo de álcool. Portanto existem diversas doenças dentro do grupo das doenças cardiovasculares e das doenças respiratórias crônicas, como acidente vascular cerebral, infato agudo do miocárdio, asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Ah não se esqueça de nós acompanhar nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

Quer receber notícias sobre Concursos Abertos? Cadastre-se em nossa newsletter


Sobre nós

Somos o Instituto Maximize de Educação, uma empresa especializada na preparação de Apostilas em PDF e Cursos Online para Concursos Públicos e Vestibulares.

Saiba mais