fbpx

Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola.

Por Ana Maria Quiqueto 20 out 2015 - 33 min de leitura
33 min

25132110

Resumo de livro

ALVES, Nilda (coord.). Educação e Supervisão: o trabalho coletivo na escola. 13ª ed. São Paulo: Cortez, 2014.

Capítulo I. EDUCAÇÃO ESCOLAR E CLASSES POPULARES: uma reflexão sobre o atual momento educacional e político do Brasil
Guiomar Namo de Mello

1. A Título de Introdução, para datar este Trabalho.

Esta obra literária data de 1984, quando o país passava por uma transição política, considerada atualmente, histórica. Obtivemos algumas conquistas democráticas importantes por parte da sociedade civil.
A educação escolar brasileira acompanha as mudanças políticas vivenciadas no contexto histórico, mudanças que marcam uma significativa transformação no que diz respeito a abertura política e a realização de eleições diretas para governos estaduais; criando-se, assim, condições para gerar governos mais voltados para as necessidades populares.
A autora traz à reflexão discussões importantes sobre as característica da educação para uma população que não faz parte da classe burguesa, classe elitizada, ou seja, uma educação pública para uma população elementar, em que a maioria é composta de populares.
Podemos constatar tal problemática com os seguintes trechos (p. 13):

“No âmbito de uma democracia relativa e de um poder público que apesar de se colocar contra o autoritarismo obscurantista não tem intenção _ e certamente não tem condições _ de negar e superar o modo de produção dominante, que espaço existiria para uma ação escolar transformadora, na ótica das teorias reprodutivistas da educação? Provavelmente muito pouco ou nenhum.
Esta escola pública, que mesmo num governo democrático continuará sob a hegemonia burguesa, que valor possui para as crianças e jovens das camadas trabalhadoras? Quase nenhum se enquanto aparelho ideológico do Estado a escola for inexoravelmente fadada à transmissão pura e simples das ideologias da dominação.
Em resumo: a escolarização formal possui algum valor objetivo para os setores populares, num contexto político e econômico como o que vivemos?
Esta questão, por sua vez, insere-se numa polêmica que há alguns anos se faz presente nos meios educacionais. Essa polêmica, em termos resumidos, refere-se ao que seria uma educação autenticamente popular.
Alguns educadores têm insistido que, para ser popular, a educação deve estar a serviço da organização política das classes populares. Na realidade, desse ponto de vista, educação popular seria a dimensão educativa dos movimentos sociais e políticos. Ela se definiria, neste caso, menos por seus destinatários e mais pelo seu conteúdo e objetivos. À educação elementar promovida pelo Estado não se aplicaria portanto o qualificativo popular, apesar de ser destinada às classes populares e de atingir grande contingente de crianças e jovens originários dessas classes.
(…)
Tentando, desse modo, escapar de uma polêmica que não julgo produtiva, quero remeter as reflexões que vamos fazer hoje, não a uma hipotética escola popular _ conceito ademais abstrato pois essa escola não está realizada _ e sim à escola existente hoje. Esta escola onde trabalhamos, e quer há algumas décadas vem recebendo entre seus alunos parcelas ano a ano maiores dos filhos das classes populares, especialmente em seus graus e séries iniciais. Uma escola onde a representatividade dessas classes está portanto aumentando, exatamente por ser gratuita e mantida pelo poder público.” (p. 14)

2. Premissas Teóricas e Metodológicas

2.1. O movimento da escola

Segundo a autora, é no atual (1984) contexto de transformações e reformas que os professores são chamados a participar de projetos educacionais voltados a repensar a função das escolas públicas que até então estavam destinadas à transmissão das ideologias da dominação; surge, assim, entre os educadores discussões a respeito do que é ser popular e o favorecimento das necessidades e interesses do povo.
“Para dimensionarmos com mais clareza o valor que o ensino formal pode ter para as classes populares, julgo necessário aliar nossa ação prática a uma revisão teórica. Uma revisão que supere e incorpore os modelos que têm nos permitido entender o que a escola é, mas nos causam certo imobilismo quando queremos prever e propor o que ela pode ser e deve ser. Uma revisão que forneça elementos para evitarmos os desvios que nos levam:

– ou a nada esperar da escola pelo fato de ser ela totalmente determinada pelas relações de produção dominantes;
– ou a esperar dela um tipo de ação revolucionária e transformadora que ela não tem condições de realizar no âmbito das sociedades de classes.” (p. 14)
Buscando respostas para tais questões, a autora foi às escolas observar e colher depoimentos de pais, professores, alunos e técnicos e, assim, pode “constatar que a escola do pobre, mais que uma instituição inculcadora de ideologia, é o reino da ignorância, do descaso, da descontinuidade, da ausência de controle. É um terreno de ninguém, naquilo que é substancial, e um mundo rigidamente normatizado, naquilo que é dispensável.
Procurei entender como a escola opera a seletividade e a exclusão construindo o fracasso da criança pobre, e constatei que nesse processo entram em jogo dois elementos indissociáveis. Um deles é a incompetência técnica, o não saber ensinar, a falta de domínio do conteúdo do currículo e do manejo da situação de ensino. O outro, organicamente articulado a esta incompetência, é uma representação falsa _ isto é, ideológica das camadas populares, e de suas crianças. Esta ideologia serve como álibi poderoso para descomprometer a escola com o fracasso dessas criança. Ela não é propriamente matéria-prima de inculcação e sim desculpa para não assumir responsabilidades.” (p. 15)

A autora, também constatou que os profissionais apresentam uma grande vontade de acertar. Conforme surgiam as constatações da autora, pressupostos teóricos surgiam reafirmando aquilo que que ela já possuía sobre o papel da escola para as camadas populares.
“Parto da premissa de que essa escola, seletiva e incompetente, pode e deve ser mais democrática, ou seja, é possível trabalhar dentro dela para aumentar significativamente as oportunidades de acesso e os anos de permanência das camadas populares no sistema de ensino. E mais: se isto acontecer, reverterá em benefício concreto daquelas camadas, apesar do papel reprodutor e ideológico da escola. “ (p. 15).

Neste contexto, Guiomar também nos propõe a refletir sobre o tipo de escola que vivenciamos, pois para ela, essa escola, como a sociedade que a inclui, não é algo já dado e acabado e sim o produto de relações sociais, o produto da prática social de grupos e de classes. Contudo, resta saber o grau, a natureza e a direção dessa transformação possível da escola.

2.2. A respeito de alguns equívocos

Continuando suas indagações, a autora obteve duas respostas para o fracasso dos alunos pobres: a incompetência técnica dos professores (o não saber ensinar / falta do domínio do conteúdo) e a representação falsa (ideologia que serve para descomprometer a escola com o fracasso dos alunos). Deste modo, a autora propõe: “(…) trata-se de perceber com clareza qual o papel da educação escolar no conjunto dos demais processos de transformação social, um papel que é específico, mas não isolado (…).” (p. 17)
Segundo o que constata Guiomar “(…) o pensamento educacional encontrou nas teorias críticoreprodutivistas da escola uma explicação apaziguadora das suas inquietudes. A ‘formação integral’ do educando foi desmascarada como objetivo ideológico e o real papel da escola se revelou: a produção das relações de produção.” (p. 17)
Separando a instância cultural das relações de produção, essas teorias não levaram em conta que a produção do conhecimento se dá na relação entre as classes sociais, e se fundamenta na divisão de trabalho entre elas. Ou seja, a produção do conhecimento tem por base a expropriação do trabalho. No momento em que o conhecimento se constitui, interessa aos dominadores apresenta-lo e mantê-lo como propriedade e privilégio seus, mas na realidade ele é patrimônio coletivo da sociedade. Reapropriar-se dele constitui nesse sentido uma forma de luta legítima aos interesses populares.
Mais recentemente, na busca de superar tais impasses teóricos e práticos, a denúncia do papel reprodutor da educação tem sido acompanhada de propostas alternativas para a ação escolar. Trata-se então de burlar a vigilância burguesa sobre a escola, construindo sub-repticiamente dentro dela a ‘ideologia proletária’.” (p. 18)

2.3. Uma visão da Escola

Nesta parte da obra, a autora pontua que no seu “modo de entender, apenas por formalismo poderíamos propor, para que a escola deixasse de ser reprodutora, que ela se tornasse agência de formação revolucionária. Não seria aí que poderia se concretizar o potencial transformador da educação escolar.
(…)
A melhoria de vida, a obtenção de emprego, a aquisição de bens materiais, aspirações para as quais a escola é importante, são um benefício concreto. (p. 18)
Como possível solução para os problemas enfrentados na educação e constituição das escolas públicas a autora enxerga que “(…) seria ensinado, e bem, a ler, escrever, calcular, falar, e transmitindo conhecimentos básicos do mundo físico e social que a educação escolar poderia ser útil às camadas populares. (…) como estratégia de melhoria de vida e pré-requisito para a organização política.” (p. 19)
Acredito que se conseguirmos trabalhar mais nessa visão da escola, e ter maior clareza sobre seus limites e possibilidades, poderemos desempenhar papel importante como profissionais dentro do ensino formal. De um lado, traduzindo as aspirações escolares das camadas populares em reinvindicações precisas e objetivas, que mobilizem e que possam ser cobradas ao poder público. De outro, buscando no interior da escola soluções técnico-pedagógicas adequadas às características e necessidades dos alunos das classes subalternas.
Essa atuação profissional não é ‘conspiração’ contra a classe dominante, nem depende de ‘brechas’ decorrentes de sua incompetência. É espaço de trabalho legítimo e específico do educador, já que essa própria classe se propõe a dar escola e coloca esta última como fundamental para a correção das desigualdades sociais. Seja como o trabalho no mundo industrializado moderno, a classe dominante precisa também da escola e essa contradição há que ser explorada.” (p. 19)

2.4. O sentimento político da competência técnica

No entanto, Guiomar relata que essa competência técnica não se identifica com o tecnicismo para o qual só importam os meios. Há um sentido político na forma competente de ensinar, porque não se está pretendendo ensinar a qualquer aluno, nem a um modelo abstrato de criança, mas à s crianças concretas, isto é, àquelas sobre as quais o fracasso e a exclusão da escola incidem maciçamente.
Esse compromisso é que deveria orientar a busca de uma ação escolar competente, perpassando todos os aspectos da escola: de sua organização ao seu modelo didático-pedagógico, passando pela seleção e organização de conteúdo. Não tenho respostas detalhadas sobre como deveria ser essa escola competente, apenas coordenadas gerais a serem testadas pela prática. Mas compromisso é o momento primeiro e, como tal, mais importante que respostas específicas. (p. 20)

3. Uma Contribuição para o Debate

Nesta explanação abordada pela autora, verificamos que a escola democrática será aquela que conseguir interagir com as condições de vida e com as aspirações das camadas populares.
(…)
No meu modo de entender, as crianças da classe trabalhadora não precisam da escola para aprender sobre o trabalho. Ele faz parte das relações sociais das quais elas são produto. Como não precisam da escola para aprender de novo, apenas de modo um pouco mais sofisticado, aquilo que seu ambiente cultural de origem já lhes ensina. O respeito à criança não pode ser confundido com uma confirmação romantizada da sua cultura de origem.
Isso põe em questão não só as tentativas da classe dominante de adaptar o currículo escolar às crianças pobres aligeirando-o e facilitando-o. Questiona também tentativas de classe dominante supostamente revolucionárias de, separando mecanicamente o saber do dominado do saber do dominante, defender um currículo escolar totalmente aderente às concepções de mundo e práticas populares.
(…)
Sendo assim, a interação da escola com as condições de vida das camadas populares deveria ser entendida como formas de, levando em conta suas necessidades objetivas, garantir a essas camadas não só o acesso como a permanência no sistema de ensino. Isso permitiria que uma escola de conteúdo e qualidade novos fosse sendo construída com as camadas populares dentro dela e não excluídas como até agora tem sido. (p. 21)

Capítulo II. FORMAÇÃO DO EDUCADOR: Aspectos Teóricos
Teresa Roserley Neubauer da Silva

A aprovação do artigo 33 da Lei 5692/71 legitima a presença dos especialistas da educação no sistema educacional brasileiro, afastando, assim, a imagem do professor/educador como o antigo mestre-escola artesão que cuidava de todo o processo educacional; e instaurando a visão da escola como “(…) um sistema complexo que atende uma clientela imensa e diversificada.” (p. 23)
Desta forma, constata-se uma mudança na função do educador, que precisará desempenhar tarefas específicas; bem como, solicita-se a reformulação do processo de ensino-aprendizagem, que deverá ser constituído de diretor, técnicos e professores.

“Pensar os aspectos teóricos da supervisão educacional, portanto, só faz sentido em função de um exame paralelo da prática do supervisor. Uma teoria só é válida se informa uma prática crítica e consequente. Caso contrário, ela acaba tornando-se muitas vezes um elemento desarticulador da própria prática.
Vejamos o que acontece no caso da supervisão. Teoricamente, o modelo que a Lei 5692 trazia implícito era o da escola a serviço do desenvolvimento econômico do país, escola está descentralizada e voltada para os interesses da comunidade na qual se inserisse. Esta ‘idealização’ via na escola um sistema social formado de grupos e subgrupos (alunos, professores, técnicos, comunidade0 interagindo entre si e formando um todo orgânico e harmonioso. A unidade escolar neste modelo nunca deveria se caracterizar como uma soma de atividades paralelas comandadas e interligadas por estruturas administrativas exógenas. Ao contrário, o conteúdo, ritmo e controle das atividades educativas seriam estabelecidos por cada comunidade escolar de acordo com as suas necessidades e interesses.” (p. 24)

Tal modelo de educação surgiu nos Estados Unidos, cujas escolas representam um modelo descentralizado, gerido e controlado pela comunidade. “Diretor, professores e técnicos são escolhidos e mantidos pelos representantes das comunidades. Eles precisam conhecer as expectativas e necessidades locais a fim de estabelecer objetivos educacionais e linhas de ação mais adequadas aos interesses específicos das diferentes realidades. A supervisão passa, assim, a ser compreendida como um esforço conjunto de especialistas e professores para a realização dos objetivos propostos.” (p.25)
No entanto, as mudanças propostas pela Lei 5692/71 ocorreram em um momento político-administrativo altamente autoritário e centralizador, consequentemente, grande parte das medidas e resoluções ficaram no controle das Secretarias Estaduais, negando, portanto, a descentralização proposta na lei anterior.
“Este sistema acabará levando o supervisor a exercer um papel controlador principalmente dos aspectos burocráticos da estrutura escolar. Um papel isolado e pouco motivador. Um papel de policial do sistema, pouco crítico e criativo (…).” (p. 26)
Assim, é preciso que a sociedade repense na formação deste sistema e dos profissionais da educação, já que neste momento está se começando a compreender que a educação não é um presente das instâncias governamentais, mas sim um direito de toda sociedade.

Capítulo III. A SUPERVISÃO ESCOLAR: um urgente desafio
Antônio Carlos Caruso Ronca
Carlos Luiz M. S. Gonçalves

O ensino nas escolas brasileiras vem enfrentam graves problemas em sua concepção, um dos casos alarmantes desse caos é o índice de 50 % de alunos que repetem a 1ª série do 1º grau e, por mais triste que seja afirmar, grande parte da responsabilidade por tal fato é a escola.

“A prática do Supervisor se dá numa sociedade de classes, que apresenta sérias contradições tanto no próprio sistema educacional como na forma de se encarar a educação. Assim, de um lado a educação recebe pouca atenção de nossos dirigentes: as verbas para a educação são diminutas, a taxa de evasão escolar na 1ª série do 1º Grau há quarenta anos se mantem praticamente a mesma, os profissionais da educação são pessimamente remunerados, o ensino particular é incentivado… De outro lado, há todo um cuidado do poder central para que a educação não seja utilizada para desvelar a sociedade de classe na qual vivemos: diretores de escola são punidos, associações de classe de educadores são perseguidas, os livros didáticos são controlados… Por outro lado ainda, existem investimentos com educação no Brasil de hoje, que abrem perspectivas de acesso à escola a uma parcela cada vez mais numerosa das camadas populares.” (p. 31)

Um dos fatores para tal fracasso está na figura do profissional, “(…) o profissional da educação, obrigado a trabalhar muito com o salário cada vez mais reduzido, fica esmagado pelo seu quotidiano e não consegue perceber a relação entre educação e sociedade.” (p. 31). Como consequência dessa realidade, o educador não consegue ter tempo e condições para refletir sobre sua ação e acaba carregando para dentro da sala a desmotivação e um discurso vazio e desacreditado.
Para a superação dessa situação é necessário que haja dentro da escola um Supervisor competente, capaz de criar condições para que os educadores que ali trabalham revejam sua atuação e percebem o papel fundamental que exercem para a melhoria da situação.
Assim, é necessário que o professor enfrente seus dois maiores desafios, o ativismo e o verbalismo. “O ativismo não se resume apenas na sobrecarga de trabalho didático, mas também nas burocráticas exigências absurdas de preenchimentos de guias, fichas, planos etc. Também se manifesta na ausência de revisões pedagógicas, onde um trabalho de equipe se concretize, ou na ausência de momentos onde os educadores reflitam sobre sua prática, façam o caminho de volta e percebam os atalhos que enfrentam.” (p. 32)
A crítica ao verbalismo estabelece-se na projeção de que os educadores gostam mais de se reunir para falar do que para fazer, tornando-se, assim, um verbalismo vazio e sem resultados.
Para superar tais impasses é necessário que o Supervisor percebe a relação existente entre os problemas da escola e o contexto social, político e econômico. Assim, o Supervisor não pode ser a figura alienada que enxerga somente o que acontece do portão da escola para dentro, mas sim, ele precisa estar informado do que ocorre na sociedade e perceber o que é possível fazer para alterar esse contexto.
Podemos levantar com tranquilidade a hipótese de que durante a sua formação o futuro supervisor vai se deparar com professores universitários que não passaram por uma experiência de sala de aula no 1º ou 2º grau, ou, em muitos casos, com professores universitários que nunca trabalharam com técnicos em escolas de 1º ou 2º grau. Esse fato vai aumentar a probabilidade de que a Universidade fique discutindo grandes ideias, lindas teorias e não se debruce sobre o real.
Para que possamos reverter essa situação, muita coisa deve ser feita. Primeiro, é preciso requalificar e valorizar o professor de 1º grau, especialmente o professor de 1ª a 4ª série. Em seguida, criar em nossas escolas momentos de reflexão, para que juntos os educadores possam encontrar uma alternativa de ação.
Os autores pontuam que, deve-se criar estratégias que permitam detectar o tipo de vínculo que se estabelece nas relações educador-educando e também entre os próprios educadores. Pois, educação é uma tarefa e um encargo coletivo, no mundo de hoje. Portanto, é imperioso que o Supervisor contribua decisiva e decididamente para a formulação coletiva de projetos de saídas para os desafios propostos.

Capítulo IV. SUPERVISÃO E DIDÁTICA
Newton Cesar Balzan

Nesta parte da obra, Balzan nos informa que os problemas da educação começam desde cedo. Na primeira série do primeiro grau onde muitos desiste, ou repetem, pois só os que estão capacitados que conseguirão seguir em frente para as outras.
E para que todos conseguissem ir para a escola foi implantado o – Escola para todos! – e a qualidade ficou em segundo plano e mesmo assim a questão de quantidade não foi o suficiente. Com isso, começaram a surgir muitos problemas para os professores.
Conforme as notas são publicadas, os alunos começam a faltar. E a partir de um texto dado em sala de aula, nota-se uma série de problemas para a Educação, mas também sobre o estudo, pois muitos alunos (que eram do primeiro ano do segundo grau) não sabiam coisas básicas que com certeza já tinham visto em séries anteriores.
Com isso, percebe-se que eles não pensam nos fatos, não aprendem, apenas valorizam o que cabe para a prova.

Mas como deve-se proceder em relação aos conteúdos a serem desenvolvidos em sala de aula?

Muitas vezes, não pode ser dado em primeira mão o conteúdo programado para aquela série, antes é preciso retomar a base da disciplina e através dela introduzir no programa para cada série. Deve-se aprender corretamente e a fundo os conhecimentos das disciplinas, pois se faz necessário para despertar nos alunos a autoaprendizagem. Com isso, a própria pessoa acaba buscando mais conhecimentos.
As avaliações devem ser feitas, de modo que o professor veja o resultado do seu próprio trabalho, melhorando aquilo que for necessário. Não é preciso abordar todos os temas dados em sala de aula. É de extrema importância que os Supervisores saibam os trabalhos dos professores, que ajudem na metodologia, é preciso incentivar os professores para ajudar com os problemas didáticos.
A supervisão é importante, não resta dúvida. Confirmam-no a vasta e complexa rede de problemas que atualmente se apresentam aos educadores e para os quais estes não vêm encontrando respostas satisfatórias. Aí está, por exemplo, o enorme contingente de crianças e adolescentes originários dos estratos sociais mais baixos, que apenas recentemente chegou à escola, para os quais esta vem falhando fragorosamente no atendimento às suas expectativas mais elementares. Aí estão as elevadíssimas taxas de evasão e repetência na 1° série do 1° grau, praticamente as mesmas ao longo dos últimos quarenta anos, o que não significa que os sobreviventes desta “seleção natural” inicial estejam capacitados a percorrer com tranquilidade as demais séries, menos ainda, que venham a fazê-lo mediante um processo de legítima aquisição cultural, quer em termos de conhecimentos básicos, quer em termos de atitude.
Sob a argumentação de que primeiramente seria necessário resolver-se o problema da quantidade – escola para todos! – deixou-se o atendimento à qualidade para depois, para mais tarde, quando as condições gerais do país assim o permitissem. E a qualidade do ensino foi-se deteriorando gradativamente, sem que os problemas de quantidade tivessem sido resolvidos.
Vivendo tal situação e premidos por problemas existenciais que se avolumam à medida que seus salários sofrem reduções constantes nossos professores sentem aturdidos, sem saber o que fazer. A gama extremamente variada de comportamentos que surgem para enfrentar a situação de crise em que se veem envolvidos, na maioria dos casos traduz apenas um inconformismo bastante saudável em relação à situação em que se encontram como profissionais da educação. Inconformismo que constitui a base de esperança em relação àquilo que se pode fazer no presente, tendo como alvo o futuro.

1. Estudo De Caso

1.1 Situação de Ensino-Aprendizagem

O autor informa neste tópico que será didático, e para isto partiu de um exemplo extraído da própria realidade. Para ele, a partir deste, poderemos teorizar em termos de planejamento, de conteúdos etc. Extraindo uma série de conclusões para a supervisão. A situação tem lugar numa classe noturna de 1° e 2° grau. Ocorre no início do bimestre maio-junho, quando já se observam os primeiros sinais de esvaziamento, imediato à publicação dos resultados das avaliações do 1° Bimestre
“Ao chegar à escola o professor é aconselhado pela inspetora de alunos a ‘dar matéria nova, uma vez que a maior parte dos alunos, ou não veio, ou já foram embora para casa’. O trabalho consistiria em dar continuidade ao estudo sobre o crescimento demográfico do continente americano a partir de um texto que ocupa cerca de uma página e meia do livro didático adotado (Moreira, p.142-2) e que inclui gráficos relativos ao avanço populacional no período de 1650-1978,com projeção para o ano 2000.(…)(p.40) A leitura do 1° parágrafo foi feita em voz alta por um dos alunos: “Durante os primeiros 150 anos de ocupação europeia do território americano, a população o continente certamente diminuiu bastante.” Como após pequeno intervalo não surgisse qualquer manifestação – quer sob a forma de dúvidas a serem esclarecidas, quer sob a forma de problemas a serem discutidos – o professor opta por questionar o grupo. E facilmente vai percebendo que nenhum aluno sabe o significado da expressão “Durante os primeiros 150 anos de ocupação europeia”. Nenhum deles tinham a mínima ideia de quando teria se iniciado esse período recorrendo à descoberta do Brasil, um aluno muito timidamente lembra-se do ano 1500 então o mestre os faz ver que o período de 150 anos constante no texto “grosso modo”, vai de 1500 a 1650. Questionando-as uma vez mais, verifica que a maioria não tem certeza sobre quem seriam os “europeus que vieram para américa”

Qual o significado disto tudo?

A situação descrita nos coloca diante de uma série de problemas para a Educação, dentre os quais emergem os de ordem didática. Sob este aspecto, destaca-se o ESTUDO, inclusive sua própria conceituação, de importância fundamental para a aprendizagem – Sua realização, ou seu fracasso. Eu me pergunto quantas e quantas vezes esses mesmos alunos não teriam visto e revisto, através de 5760 horas-aulas do 1° grau, e que a América foi descoberta em 1942 e o Brasil em 1500? Não é preciso responder a todas essas perguntas a fim de deixar claro aquilo que parece o essencial: certamente terão ouvido e repetido muito sobre isso anteriormente, mas evidentemente, nunca pensaram a respeito) Voltemos, porém, à nossa classe de “1° Colegial” e pensemos no que teria acontecido se, a pretexto de “ter que cumprir com meu planejamento”, o professor simplesmente passasse por cima de todo este desconhecimento e continuasse “dando matéria”. Pensemos no que teria acontecido se ele se limitasse a determinar que os alunos estudassem bastante, pois este mesmo texto “cairia na prova” a ser realizada numa próxima aula. Decisões deste tipo, certamente levariam uma série de situações, todas indesejáveis: aprendizagem meramente mecânica, de valor tão irrisório quanto a memorização de sílabas em sentido, atribuição de notas fundamentada em critérios irracionais etc. Uma situação em que o mundo do professor e seu principal instrumento de ação – o livro didático – nenhuma relação mantêm com aquilo que se passa na cabeça do aluno. Um mundo de aparente ordem, cuja manutenção é assegurada através de mecanismos sutis de repressão, sempre calcados em controles aversivos. O relato acima sugere que tanto entre os professores como entre os alunos há confusão em torno do conceito de ESTUDO e que a escola, de modo geral, tende valoriza-lo predominantemente através de seu sentido deturpado: repetição mecânica de conhecimentos, pura e simplesmente. (…) O círculo vicioso se fecha, pois, de modo a garantir que o conceito de ESTUDO se mantenha deturpado.

1.2 Os alunos

Os alunos que estudam à noite, a maioria, são filhos de trabalhadores, operários que frequentaram, a maioria, até a 4ª série. E também os próprios estudantes, devem optar por esse horário pois já trabalham em período integral. E esses alunos já diferem muito dos que frequentam a mesma escola no período diurno.
Se o aluno desde o ensino básico, já teve dificuldade, ou fora de alguma aprendizagem, na parte de matemática no ensino médio será muito difícil conseguir resolver problemas de física. Nas aulas, muitos não dirigem a palavra ao professor, nem mesmo quando estão com dúvidas.
A possibilidade de melhorarem o aproveitamento através de uma autorrecuperação, por outro lado, parece bastante remota, na medida em que o problema não é simplesmente falta de vontade de se dedicarem aos estudos e nem se restringe à falta de tempo para fazê-lo – mas sim o fato de não terem aprendido a pensar. Mais grave ainda: que possibilidades teriam de “vencer através do estudo”, se eles simplesmente não sabem COMO ESTUDAR? ( p. 46)
Contudo, o alto grau de insatisfação observado junto aos professores diante impede de ver como e por que as coisas realmente ocorrem, assim como de perceber seu próprio papel neste contexto, levando a tecer uma série de comentários voltados principalmente para a revisão de alguns conceitos fundamentais para a Didática. Assim, a atuação do supervisor na direção de uma Educação mais eficiente, dinâmica e libertária, tanto para o professor coo para o aluno. (p. 47)

2. Didática: Revisão Conceitual para a ação supervisora

Todos os elementos de estudo precisam ser revisados, desde conteúdo até a avaliação, para isso o planeamento é muito importante.

2.1 Planejamento

Desta forma, planejamento é definido por Friedmann como “uma atividade graças à qual o homem, vivendo em sociedade, se esforça por se dominar e por construir deliberadamente seu futuro coletivo, graças ao poder da razão”. É necessário que os professores saibam com quem estão lidando e a realidade dos alunos.
Neste sentido, a Didática tem que fazer sentido para os professores, podemos dizer, “sede” de ensino, deve pensar como fazer para os estudantes aprenderem melhor, entenderem o que está sendo estudado e não simplesmente “jogar” a matéria, para fazer seu trabalho. Deve-se proceder de um modo simples que ajude a memorização. E para tudo isso dar certo, o Supervisor se faz necessário para orientação ao professor, na ajuda de atividades, e aumento do interesse dos próprios professores.

2.2 Conteúdos

Os conteúdos propostos nesta parte, são importantes, na medida em que a aprendizagem, incluindo-se aqui a formação de atitudes, não se faz no vazio, mas sim a partir de algo real, concreto. Trata-se de atribuir aos conteúdos a devida importância: aprender em profundidade os conhecimentos essenciais das várias disciplinas constitui condição necessária para a autoaprendizagem, única maneira de o indivíduo continuar se formando permanentemente. (p. 52)

2.3 Procedimentos

Neste sentido, é o processo em que a autoridade do professor não advém do fato de ele ter respostas para tudo e muito menos a resposta, mas sim de ele ter uma base sólida – em termos de formação específica e de cultura geral – e principalmente um postura que o dignifica no sentido de ser absolutamente sério nesta busca, de se aplicar intensamente nela. Em outros termos, sua autoridade decorre do respeito por ele ser um indivíduo aberto para a vida e não por ele ser alguém pronto, acabado.
Assim, uma boa maneira para o supervisor testar a que distância sua escola se encontra desta situação, consiste em observar o modo segundo o qual os alunos se expressam em relação às aulas. Por exemplo, quando os alunos que tenham faltado às aulas num determinado dia, perguntarem aos colegas no dia seguinte:
– O que foi que o professor X deu ontem? É sinal de que a meta ainda está longe.
Quando começarem a perguntar:
– “O que vocês fizeram ontem?’ Ou: – “O que vocês estudaram ontem?” É sinal de que as coisas já começarem a melhorar.

2.4 A avaliação

Em relação ao exposto que vem sendo discutido, ao longo deste texto, as questões que eventualmente constassem de uma “prova de avaliação” deveriam dizer respeito, predominantemente, à seriação de dados, à compreensão de texto, à intepretação e elaboração de gráficos. (p. 57)

Capítulo V. A PRÁTICA DA SUPERVISÃO
Maria Violeta Villas Boas

Para a autora, a Supervisão em Educação é um controle de qualidade, portanto planejar, acompanhar os professores é muito importante para garantir o produto final, que é a educação.
O sucesso da supervisão depende da relação entre supervisores e supervisionados. Ou seja, quanto mais companheirismo, cumplicidade, apoio necessário para melhor realização do trabalho, o êxito será claramente visto nas ações dos educadores.
É indispensável que o supervisor seja um líder, tenha uma boa comunicação, saiba manter em equilíbrio e consiga ver seus próprios erros, faça uma avaliação crítica de seu desempenho.

“…pensar na prática da supervisão, é sobretudo, examiná-la nas grandes funções em que se desdobra. É analisa-la desde o planejamento do currículo precedido de adequada diagnose, ao acompanhamento de sua execução, com tudo que representa de orientação e controle, à sua avaliação em ternos de apreciação crítica, e ao seu aperfeiçoamento, considerados os recursos humanos, materiais e técnicos empenhados”. (p. 65).

Vamos ver alguns aspectos que iniciaram as propostas educacionais: importante que todo trabalho tenha postulados filosóficos e diretrizes científicas, é preciso também coparticipação e ter relacionamento da escola com a comunidade.
– O planejamento curricular não pode ser feito sem pensar nos professores, ele deve ser muito bem analisado e fluir. Por isso que os Supervisores devem ser próximo dos professores.
– A educação transforma, desenvolve os indivíduos e não é simplesmente uma mera transmissão de conhecimentos e a supervisão contribui para a melhoria dessa educação.
– O processo supervisório deve sempre manter treinamento não só de parte profissional, como também pessoal de sua equipe, mas a Supervisão é cooperativa.

“…dividindo tarefas por todos e somando os esforços de cada um que se diminui o dispêndio de energias e se multiplica o resultado final. Esta é, acreditamos, a fórmula que viabiliza a prática efetiva da Supervisão em Educação”. (p. 70)

Capítulo VI. SUPERVISÃO: um exercício de democracia ou de autoritarismo?
Heloísa Cardoso

“…Democracia é, para nós, a igualdade, para todos, de acesso aos bens criados pela civilização moderna. O acesso a uma boa escola em todos os níveis…” (p.76)
Por tantas razões, a função de supervisão só deveria ser exercida por pessoas emocionalmente maduras, não se entendendo que alguém sem experiência administrativa, um recém-egresso do curso de Pedagogia, possa assumir a responsabilidade de avaliar uma instituição, detectar desvios de padrões indesejáveis, reorientar ações administrativas ou técnico-pedagógicas, se sua palavra não vier enviada de força moral que só a experiência e a vivência conferem. Enfim, não entendemos como se possa ser inspetor ou supervisor educacional em nível macrossistêmico se, em primeiro lugar, não se for ou não tiver tido uma experiência administrativa.
A estratégia democrática contribuiria, assim, para uma ação e práxis supervisoras libertadoras e não castradoras das potencialidades dos indivíduos em todos os níveis de atuação, que, para além do tecnicismo, enseja a crítica e a criação, a reflexão e a ação nos limites e no alcance de cada um.
É preciso que o supervisor abandone qualquer pretensão de superioridade e veja no próximo um ser humano, para que dele se aproxime numa atitude liberal, de abertura e diálogo. Se controle há de ser exercido, dizíamos, é o da qualidade da educação, o que se constitui em dever inadiável em face do direito da criança e do jovem brasileiro de se instrumentarem, através da educação, para a vida adulta e responsável. Se compromisso há de ser assumido é em resposta aos reclamos de sua consciência de educador, atuante e participante, em prol de uma sociedade mais justa na distribuição dos bens culturais, mais livre na determinação de seu destino, mais humana na qualidade de vida que oferece e enseja.

Capítulo VII. PRÁTICA E SUPERVISÃO
Celestino Alves da Silva Júnior

“Enquanto a eficiência não se manifesta, a supervisão padece.” (p. 97)
A incompatibilidade de linguagem entre os órgãos centrais (GOGSp, CEI, CENP, DRHU, DAE) torna difícil o trabalho integrado a nível de D.E e escola, pois não são estabelecidos prioridades de tarefas e respeito as limitações de tempo e pessoal para atendimento de suas múltiplas solicitações. Estabelecendo o caos teórico-político-institucional que atravessa o mundo da Supervisão.
O supervisor desempenha várias tarefas as quais não estão atribuídas ao seu cargo. “… o pedagógico não emerge naturalmente no exercício rotineiro da Supervisão” (p.99)
“(…). Existe um distanciamento muito grande entre as atribuições legais do Grupo de Supervisão Pedagógica e a exequibilidade de tais atribuições práticas. (…) É impossível servir a tantos senhores ao mesmo tempo! (…) a Supervisão está mais voltada para a eficiência do Sistema de Ensino do que para a eficiência da escola como agente de Ensino. Recuperar o ensino para a Supervisão é pois, o seu problema.
(…) se conseguirmos visualizar quem se pretende eficiente, de quem se exige competência e a quem se pode acusar justamente de conformismo. Se a burocracia for mesmo a grande adversária será necessário que eficiência e competência, ao pretender supera-la, se orientem pela sua grande estrela guia, a consciência política…” (p. 99)
A culpa pela falta eficiência e competência é trocada por professores e supervisores. Os analistas dizem que todos são conformistas/conformados e as discussões são as que nos levam a reflexão a procura de um significado real para o sistema de supervisão escolar.
Segundo Nilda Alves é preciso evidenciar o caráter político inerente a supervisão escolar, para que se estabeleça o compromisso com a recuperação do sentido educativo de escolarização. Mas este sentido deve ser suscitado a força pois não emerge naturalmente do exercício da supervisão.
“O supervisor de que estamos necessitando é aquele capaz de estabelecer a relação entre a filosofia superior e o senso comum, entre o pensamento do especialistas e o de todos os homens. É enfim aquele supervisor cuja figura possa ser percebida pelas massas docentes como a referência para a concretização do seu projeto educacional.” (p. 102)
Deve-se superar a crença desarmada nos “modelos/módulos” e alimentar a discussão aberta entre supervisores e entre professores e supervisores, fazendo com que saiam do velho conformismo.
“(…) Por aí se poderá chegar ao supervisor que emerge do conjunto dos professores; o supervisor intelectual organizador de seus pares, aquele supervisor que orienta e coordena a elaboração do projeto educacional de toda uma coletividade.” (p. 103).

Gostou do assunto? Deixe sua opinião, ela é muito importante para nós.

Qual sua dúvida ou comentário sobre esse conteúdo?

Os campos com (*) são obrigatórios e seu email não será publicado

Comentários
  • Ivete Estefanelli@gmail.com 08 ago 2018

    Muito bom o conteúdo

  • mm
    Maxi Educa 09 ago 2018

    Bom dia Ivete. Obrigada por deixar aqui o seu comentário, ficamos felizes que você tenha gostado do nosso conteúdo. Aproveite e acompanhe outros posts sobre Educação: blog.maxieduca.com.br/quinta-da-educacao/ Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • cidinha 17 set 2018

    Achei muito bom a resenha sobre o livro, e agradeço pela disponibilização no blog. Me auxiliou muito. Cidinha

  • mm
    Maxi Educa 18 set 2018

    Boa tarde Cidinha. Obrigada por participar do nosso blog deixando aqui o seu comentário. Ficamos felizes por ter elaborado um blog que contribuiu com os seus estudos. Temos muito mais sobre Educação no blog Maxi Educa, basta acessar: http://blog.maxieduca.com.br/educacao/ Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Luseni de Jesus Santos 30 dez 2018

    Só tenho que parabeniza-los pela iniciativa em disponibilizar via internet, um conteúdo tão bem contextualizado, de simples compreensão mas que conduz a uma profunda reflexão do real papel do supervisor escolar. Ao mesmo tempo em que oferece condições ao leitor de compreender a escola, professor e aluno como sendo interdependentes, num processo de crescimento educacional. Atenciosamente: Luseni de Jesus Santos

  • mm
    Maxi Educa 31 dez 2018

    Olá Luseni, Bom Diaa!! Nossa meta, de trazer um conteúdo de forma clara e objetiva. Muito obrigado por deixar seu comentário e participar do nosso blog. Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Silvana Domingues da Costa 31 dez 2018

    Adorei esse conteúdo, me auxiliou nos estudos e me fez refletir sobre a Educação. Obrigada.

  • mm
    Maxi Educa 03 jan 2019

    Olá Silvana, Bom Diaa!! Nossa meta, de trazer um conteúdo de forma clara e objetiva. Muito obrigado por deixar seu comentário e participar do nosso blog. Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Cleunice 08 jan 2019

    Boa noite, Gostaria de agradecer pela resenha do livro, sempre é complicado acharmos resenhas de livros. Muito obrigada. Cleunice

  • mm
    Maxi Educa 09 jan 2019

    Olá Cleunice, Bom dia!! Nós que te agradecemos, muito obrigado por deixar seu comentário e participar do nosso blog. Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Natália A. Ribeiro 26 jan 2019

    Muito obrigada Maxi Educa por disponibilizar o resumo do livro. Acrescentou meus conhecimentos e fez com que me motivasse a fazer mais pesquisas sobre Educação e Supervisão. Creio que muito está por vir neste ano de 2019, nas quais nós envolvidos na educação, precisamos atualizar, buscar novos conceitos ou aprimorar muitas questões para a educação de nosso País.

  • mm
    Maxi Educa 28 jan 2019

    Olá Natália, Bom Dia!! Nossa meta, de trazer um conteúdo de forma clara e objetiva para o seu aprendizado. Queremos agradecer por deixar seu comentário em nosso Post. Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Jislene Chacon Finzeto 07 mar 2019

    Obrigada pela resenha. Muito clara e objetiva, um grande auxílio.

  • mm
    Maxi Educa 07 mar 2019

    Olá Jislene, Bom Dia!! Nós que agradecemos pelo seu comentário em nosso post. Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Arlete Jane Ferreira 03 jun 2020

    Muito preciso, bem focado e atualizado, perfeito para estudos. Obrigada pela disponibilidade.

  • mm
    Maxi Educa 03 jun 2020

    Olá Arlete, tudo bem? Que bom que gostou do nosso blog! Aproveite e navegue por nosso site (www.maxieduca.com.br), garanto que você também vai gostar. Um grande abraço e muito obrigado por seu comentário! Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Vera Lucia 16 set 2020

    Muito bom o resumo, gratidão por disponibilizar. Minhas alunas gostaram bastante e puderam compreender melhor o pensamento dos autores. Parabéns pelo trabalho.

  • mm
    Maxi Educa 16 set 2020

    Olá Vera Lucia, tudo bem? Que bom que gostou do nosso blog! Aproveite e navegue por nosso site (www.maxieduca.com.br), garanto que você também vai gostar. Um grande abraço e muito obrigado por seu comentário! Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • Silvana Domingues 13 mar 2021

    muito bom

  • mm
    Maxi Educa 15 mar 2021

    Olá Silvana, tudo bem? Que bom que gostou do nosso blog! Aproveite e navegue por nosso site (www.maxieduca.com.br), garanto que você também vai gostar. Um grande abraço e muito obrigado por seu comentário! Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

Quer receber notícias sobre Concursos Abertos? Cadastre-se em nossa newsletter


    Sobre nós

    Somos o Instituto Maximize de Educação, uma empresa especializada na preparação de Apostilas em PDF e Cursos Online para Concursos Públicos e Vestibulares.

    Saiba mais