Compreenda a importância do planejamento escolar para sua vida e como estudar esse tema para os concursos públicos

Por Márcio André Emídio 24 ago 2017 - 8 min de leitura
8 min

Na escola, o planejamento é o sinalizador para a condução do processo de ensino e para que sejam atingidos os resultados desejados. Mas por que não gostamos?

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=rIuqayi8R1s

Para Moretto, planejar é organizar ações (ideias e informações). Essa é uma definição simples mas que mostra uma dimensão da importância do ato de planejar, uma vez que o planejamento deve existir para facilitar o trabalho tanto do professor como do aluno.

Gandin sugere que se pense no planejamento como uma ferramenta para dar eficiência à ação humana, ou seja, deve ser utilizado para a organização na tomada de decisões. Para melhor entender precisa-se compreender alguns conceitos, tais como: planejar, planejamento e planos.

 Planejamento: “É um instrumento direcional de todo o processo educacional, pois estabelece e determina as grandes urgências, indica as prioridades básicas, ordena e determina todos os recursos e meios necessários para a consecução de grandes finalidades, metas e objetivos da educação.”

 Plano Nacional de Educação: “Nele se reflete a política educacional de um povo, num determinado momento histórico do país. É o de maior abrangência porque interfere nos planejamentos feitos no nível nacional, estadual e municipal.”

 Plano de Curso: “O plano de curso é a sistematização da proposta geral de trabalho do professor naquela determinada disciplina ou área de estudo, numa dada realidade. Pode ser anual ou semestral, dependendo da modalidade em que a disciplina é oferecida.”

 Plano de Aula: “É a sequência de tudo o que vai ser desenvolvido em um dia letivo. (…) É a sistematização de todas as atividades que se desenvolvem no período de tempo em que o professor e o aluno interagem, numa dinâmica de ensino e de aprendizagem.”

 Plano de Ensino: “É a previsão dos objetivos e tarefas do trabalho docente para um ano ou um semestre; é um documento mais elaborado, no qual aparecem objetivos específicos, conteúdos e desenvolvimento metodológico.”

 Projeto Político Pedagógico: “É o planejamento geral que envolve o processo de reflexão, de decisões sobre a organização, o funcionamento e a proposta pedagógica da instituição. É um processo de organização e coordenação da ação dos professores. Ele articula a atividade escolar e o contexto social da escola. É o planejamento que define os fins do trabalho pedagógico.” (MEC)

Os conceitos apresentados têm por objetivo mostrar para o professor a importância, a funcionalidade e principalmente a relação íntima existente entre essas tipologias.

Segundo Fusari, “Apesar de os educadores em geral utilizarem, no cotidiano do trabalho, os termos “planejamento” e “plano” como sinônimos, estes não o são.”

Outro aspecto importante, segundo Schmitz é que “as denominações variam muito. Basta que fique claro o que se entende por cada um desses planos e como se caracterizam.”

Qual a Finalidade do Planejamento?

Na escola, o planejamento é o sinalizador para a condução do processo de ensino e para que sejam atingidos os resultados desejadosfonte: https://imconfident.wordpress.com

A primeira coisa que nos vem à mente quando perguntamos sobre a finalidade do planejamento é a eficiência. Ela é a execução perfeita de uma tarefa que se realiza. O carrasco é eficiente quando o condenado morre segundo o previsto. A telefonista é eficiente quando atende a todos os chamados e faz, a tempo, todas as ligações. O digitador, quando escreve rapidamente (há expectativas fixadas) e não comete erros.

O planejamento e um plano ajudam a alcançar a eficiência, isto é, elaboram-se planos, implanta-se um processo de planejamento a fim de que seja benfeito aquilo que se faz dentro dos limites previstos para aquela execução.

Mas esta não é a mais importante finalidade do planejamento. Ele visa também a eficácia. Os dicionários não fazem diferença suficiente entre eficácia e eficiência. O melhor é não se preocupar com palavras e verificar que o planejamento deve alcançar não só que se faça bem as coisas que se fazem (chamaremos isso de eficiência), mas que se façam as coisas que realmente importa fazer, porque são socialmente desejáveis (chamaremos isso de eficácia).

A eficácia é atingida quando se escolhem, entre muitas ações possíveis, aqueles que, executadas, levam à consecução de um fim previamente estabelecido e condizente com aquilo em que se crê.

Além destas finalidades do planejamento, Gandin introduz a discussão sobre uma outra, tão significativa quanto estas, e que dá ao planejamento um status obrigatório em todas as atividades humanas: é a compreensão do processo de planejamento como um processo educativo.

É evidente que esta finalidade só é alcançada quando o processo de planejamento é concebido como uma prática que sublime a participação, a democracia, a libertação. Então o planejamento é uma tarefa vital, união entre vida e técnica para o bem-estar do homem e da sociedade.

Mas por que não gostamos?

Gandin diz que:

Em primeiro lugar, a própria existência do “planejador” bloqueia a execução do plano. Parece claro que, se há “planejadores”, há “executores” e, depois, “avaliadores”. Em geral, os “planejadores” são poucos e os “executores”, uma porção. Como resultado, temos uma pessoa ou algumas, apontando a direção para todo um grupo que, se tiver consciência crítica, não aceita tal situação e que, se tiver consciência ingênua ou mítica, pode ser levado pela força ou pelo engodo, mas sem compromisso. Em qualquer destes casos, desprestigia-se o planejamento, que tem a difícil função de organizar a ação sem ferir a liberdade e a riqueza dos participantes de um grupo.

Em segundo lugar, quase como consequência, o fato de se pensar planejamento como uma “fabricação de planos”, como um reunir ideias, como “bolar” algo – o que é uma compreensão parcial do planejamento -, limita as preocupações a uma etapa, a da elaboração, deixando completamente esquecidas as etapas de execução e de avaliação. Diante desta concepção, cumpre-se a missão assim que se escreveu o plano. Quem tiver consciência de que o planejamento inclui a execução – ou, pelo menos, que fazer um plano só tem sentido se for para pô-lo em prática – realizará esta parte da elaboração sob outro prisma, incluindo aqueles elementos que forçam a execução do decidido.

Depois, não podemos esquecer o formalismo e a burocracia que matam tudo aquilo que tocam. Os experts fazem-nos preencher quadrinhos e formulários e nos dizem que estamos planejando. Evidentemente, nem eles mesmos levam a sério aqueles papéis e não julgam que vamos fazer algo daquilo. Mas a inconsciência e a falta de soluções os obrigam a render culto ao formalismo e à burocracia. Com isso desprestigia-se o planejamento porque chamam a esse preencher papéis de planejar.

Segundo Gandin ainda, há a falta de capacitação técnica das pessoas que “planejam” ou mesmo coordenam a feitura de planos, o que termina levando os planos à ineficácia. Se não seguir alguns princípios fundamentais e não utilizar técnicas apropriadas à vivência desses princípios, a escrita de planos está fadada a ser uma atividade pouco rentável, completamente inútil ou até, perigosa.

Finalmente, muitas causas externas contribuem para que o planejamento não mereça o cuidado sério das pessoas que julgam significativa sua ação. Essas causas talvez apontem todas para a mesma direção: o planejamento é para a mudança, para a transformação, o que, provavelmente, não é o desejo dos “donos” de nenhum dos setores de atividade humana. Eles fazem propaganda para que creiamos em coisas, para que continuemos a agir descoordenadamente, e nós abrimos mão do planejamento de verdade. O substituto é desmoralizado com razão, e isso nos deixa mais longe de realizarmos o verdadeiro.

Claro que devem existir outras concepções sobre o porquê do relacionamento tão estreito entre plano e gaveta ou plano e prateleira. Não se deve deixar reflexão alguma tornar-se absoluta, mas continuar a fazer os próprios questionamentos, naturalmente relativizando, também, o próprio modo de pensar. Assim vamos descobrindo, cada um na própria experiência, uma parte da verdade.

O importante é que, descobrindo por que não se realizam os planos, aumentamos nossa condição de participar de um processo de planejamento que seja um processo de esclarecer e tornar precisa a ação do grupo em que estamos.

O que se faz necessário é estar consciente que:

“Qualquer atividade, para ter sucesso, necessita ser planejada. O planejamento é uma espécie de garantia dos resultados. E sendo a educação, especialmente a educação escolar, uma atividade sistemática, uma organização da situação de aprendizagem, ela necessita evidentemente de planejamento muito sério. Não se pode improvisar a educação, seja ela qual for o seu nível.”

 E seu planejamento? Você anda fazendo isso corretamente? Deixe-nos aqui suas experiências, o que achou sobre esse post, e claro, compartilhe, espalhe essa ideia com seus amigos.

 Referências Bibliográficas:
FUSARI, José Cerchi. O planejamento do trabalho pedagógico: algumas indagações e tentativas de respostas
www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_08_p044-053_c.pdf.
GANDIN, Danilo. O planejamento como ferramenta de transformação da prática educativa.
www.maxima.art.br/arq_palestras/planejamento_como_ferramenta_(completo).doc.
MEC – Ministério da Educação e Cultura. Trabalhando com a Educação de Jovens e Adultos – Avaliação e Planejamento – Caderno 4 – SECAD – Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade – 2006.
MORETTO, Vasco Pedro. Planejamento: planejando a educação para o desenvolvimento de competências. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
pixabay.com.br

SCHMITZ, Egídio. Fundamentos da Didática. 7ª Ed. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2000.

Qual sua dúvida ou comentário sobre esse conteúdo?

Os campos com (*) são obrigatórios e seu email não será publicado

Comentários
  • Francinete 03 maio 2018

    Ótima colocação!

  • mm
    Maxi Educa 04 maio 2018

    Bom dia Francinete. Agradecemos imensamente sua participação em nosso post. Caso queira ter acesso a outros posts sobre Educação acesse: http://blog.maxieduca.com.br/quinta-da-educacao/ Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • silvane f do nascimento cintra 11 abr 2019

    Ótima me ajudou muito,acho que as vezes me falta planejamento.

  • mm
    Maxi Educa 12 abr 2019

    Olá Silvane, Bom Dia!! Obrigado por deixar seu comentário em nosso post, nossa meta é passar algum tema de forma clara e objetiva para que todos entendam. Acompanhe-nos nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

  • samira sineri da silva 30 abr 2019

    quero receber questões sobre palnejamento educacional e os conteúdos tbm para que eu possa estudar melhor se possível puderem mandar agradeço desde já tenham uma otima noite

  • mm
    Maxi Educa 30 abr 2019

    Olá Samira, Bom Dia!! Sobre as questões nós te recomendamos dar uma olhada em alguns simulados que temos no nosso site, sendo eles todos de concursos anteriores. Segue o Link: https://www.maxieduca.com.br/simulados Espero que lhe ajude. Obrigado por deixar seu comentário em nosso post. Acompanhe-nos também nas redes sociais. Facebook: https://goo.gl/fgnB61 Instagram: https://goo.gl/xe1LmU YouTube: https://goo.gl/REyOiW

Quer receber notícias sobre Concursos Abertos? Cadastre-se em nossa newsletter


Sobre nós

Somos o Instituto Maximize de Educação, uma empresa especializada na preparação de Apostilas em PDF e Cursos Online para Concursos Públicos e Vestibulares.

Saiba mais