fbpx

Técnicas de memorização: É uma boa forma de estudar para concursos?

saiba tudo sobre técnicas de memorização e como ela pode te ajudar nos estudos
Por Maxi Educa 14 jun 2022 - 17 min de leitura
17 min

Olá, galerinha estudiosa. E aí, vocês acham que técnicas de memorização auxiliam nos estudos para concursos?

Muitos concurseiros utilizam estas técnicas de memorização como metodologia de estudos nos concursos públicos

Neste artigo, vamos abordar sobre este assunto para agregar ainda mais a sua jornada na tão almejada aprovação. 

Partiu trazer mais conhecimento para vocês! Boa leitura! =D

O que é Memorização

A memorização é a capacidade do ser humano de guardar, registrar, manipular ou adquirir ideias ou imagens. Com ela lembramos de nomes, pessoas, lugares, acontecimentos, cheiros, etc.

Assim consiste na capacidade de o cérebro absorver e armazenar informações.

A memória é uma ferramenta a que recorremos constantemente para diversas situações do cotidiano. A memória é multifacetada e pode ser abordada em um contexto tecnológico (ram e flash), sociológico (coletiva e cultural) e biológico (imunológica). 

No estudo das neurociências há quatro definições muito estudadas sobre a memória: memórias explícitas (lembrar um determinado evento) e memórias implícitas (aprendizagem motora) e as de curto e longo prazo – que, apesar do nome, não estão relacionadas apenas à duração. 

Geralmente, a memória de curto prazo está na escala temporal de segundos até alguns minutos (tempo que algo ficará guardado ou será lembrado), já a memória de longo prazo, por sua vez, está na escala de horas, dias, semanas.

Mas a verdade é que o limite da memória de curto prazo e longo prazo não é bem definido, ele varia dependendo do conteúdo que está sendo aprendido e também do estado emocional, da qualidade do sono, etc.

O importante não é pensar em termos de limite temporal, mas no contexto que cerca aquela memória, assim como afirmam os neurocientistas.

Eles dizem algo importante para quem precisa memorizar muito um conteúdo: “Se o contexto for desinteressante ou banal, e especialmente se for relacionada a algo que vimos só uma vez, existem boas chances de aquela memória de curto prazo se perder.

Se o contexto for emocionalmente carregado, aquela memória de curto prazo pode se transformar em uma memória de longo prazo”. 

Memorização

De acordo com o dicionário, memorização é o ato ou efeito de memorizar ou de guardar em memória, é reter na memória de forma voluntária (ex.: memorizar o texto; memorizar um número).

É decorar, fixar e tentar não esquecer. 

O conceito de memorizar, portanto, é caracterizado por um processo responsável por reter (ou fixar) na memória certa informação desejada. Para este fim, necessita de métodos, ou seja, técnicas que possam fazer regularmente para potencializar o que deseja memorizar. 

Existe diferença de memorizar e decorar?

A diferença entre memorizar e decorar está no fato de que a primeira ação (memorizar) sabe contextualizar e explicar uma informação armazenada. Já quando apenas se decora, até é possível empregá-la em um determinado momento, mas sem o domínio básico para evitar ser induzido ao erro.

Considerando que um indivíduo tenha que estudar para uma prova. Caso apenas decore fórmulas, saberá em que situação elas podem ser empregadas, mas não entenderá, de fato, como fazê-lo, já que não usou métodos para memorizar não só as fórmulas, mas o contexto que elas poderão estar inseridas.

Além do mais, se somente decorar dados, com o tempo, esquecerá detalhes deles. Ao memorizar, as chances de isso ocorrer são bastantes reduzidas.

Conheça Técnicas de Memorização 

Depois de muitas leituras e pesquisas selecionamos algumas técnicas que acreditamos que melhor auxiliaram vocês nos estudos.

Ler mais de uma vez

Ler, reler e revisar! Na primeira leitura, são absorvidas as informações essenciais, o “grosso” dos conteúdos. Nas demais, você passa a notar e a registrar detalhes, ou seja, informações periféricas.

Sempre que ler, tente entender a leitura. Se isso não acontecer, retorne e leia novamente. Repita isso em outros dias. 

Essa prática ajuda a fixar o conteúdo na mente e entender melhor a informação no cérebro. Se preferir, faça isso em voz alta e explique para si mesmo o que entendeu.

Fale alto em vez de simplesmente ler

Após fazer a leitura do conteúdo de interesse, releia o assunto em voz alta, isso fará que você preste mais atenção no que está lendo e consequentemente memorizará com mais facilidade.

Ensine o que você aprendeu

A melhor maneira de testar se você realmente entendeu alguma coisa é tentar ensiná-la a outra pessoa. Convide um amigo que também está estudando e troque informações com ele, tente ensinar o que você aprendeu de determinado assunto e peça para ele te dar um feedback sobre. 

Reúna as suas anotações e considerações e dê uma aula sobre o assunto, nem que seja para um aluno imaginário. Ao verbalizar o conhecimento adquirido, você também conseguirá fixá-lo melhor em sua mente.

Além disso, com o uso dessa tática, ficará mais fácil perceber os pontos em que você ainda tem dúvidas e que precisam ser revistos.

Você pode ainda ensinar a matéria que está estudando de forma remota, através até mesmo das redes sociais. 

Reflita sobre o que você já aprendeu

É sempre interessante realizar mais de uma leitura, até mesmo em momentos distintos, reserve um tempo para pensar sobre as informações passadas no texto. Faça algumas perguntas para saber se memorizou ou não sobre o assunto estudado.

  • Quem escreveu o texto?
  • Em que época ou contexto?
  • A qual público se destina?
  • Qual é o objetivo do conteúdo?
  • Como este conteúdo pode cair em uma questão? 

Dê aula para si mesmo

A prática de ensinar a si mesmo fará com que se questione sobre determinados assuntos e procurará por novas informações, dando ainda mais força à memorização. 

Exercite os seus conhecimentos

Colocar o que aprendeu em prática é uma excelente forma de memorizar novos conteúdos. Nesse aspecto, resolver listas de exercícios, responder questões de processos seletivos de anos anteriores e participar de simulados são atitudes que podem ajudar e muito a melhorar o seu aprendizado.

Recorrer a atividades que exercitem a memória e o raciocínio de um jeito mais leve e divertido como palavras cruzadas, problemas de lógica ou jogos de perguntas e respostas é uma boa sugestão para testar os seus conhecimentos se divertindo.

Tente fazer esse método com todas as matérias que você estudar, promovendo a interdisciplinaridade. Esse é um jeito muito bom para aprender e correlacionar as matérias, o que facilita a sua memorização e aprendizado.  

Praticando exercícios, sua mente será mais ativa e terá mais facilidade em assimilar as informações na hora de uma prova e/ou teste. 

Associe os novos aprendizados ao que você já conhece

Associe uma ideia nova a algo que já existe em seu cotidiano (pode ser um filme, um livro ou uma imagem, por exemplo) é uma forma de inseri-la em nosso domínio cognitivo.

A exemplo, ao aprender um novo idioma, temos uma maior facilidade de memorização quando associamos as palavras estrangeiras àquelas utilizadas em nossa língua materna.

Faça associações visuais ou engraçadas

Tanto as imagens como o bom humor podem se transformar em excelentes ferramentas para a memorização dos mais diversos tipos de conteúdo. 

Compensa relacionar o conteúdo aprendido a situações engraçadas do dia a dia, utilizar jogos de palavras e trocadilhos, associar dados abstratos — como nomes ou fórmulas — a ícones, cenas ou desenhos, entre outras táticas. 

Grave e escute a gravação

Faça a leitura em voz alta, grave esta leitura com o seu celular, escute e preste atenção no que gravou. Estes passos faram com que você valorize mais o que gravou e perceba se é o suficiente para entender o que precisa ser entendido e memorizado. 

Você ainda estuda, grava o que entendeu e na hora de revisar e, depois, escuta as gravações. 

Há o estimulo do cérebro a guardar as informações por meio do som. 

Assista a filmes e a vídeos didáticos

Assistir a conteúdos sobre o tema a ser memorizado entretém e informa simultaneamente. Atualmente, há muita oferta de vídeos didáticos, podcasts, filmes e séries. 

É só dar uma pesquisada no you tube ou em algum serviço de streaming que, provavelmente, você conseguirá encontrar um conteúdo sobre o tema que precisa. 

Sem dizer que filme e outros meios são mais leves e você pode fazer isso de maneira mais relaxada, sem a pressão que a hora do estudo requer. 

Use flashcards 

Eles funcionam da seguinte forma: você escreve uma pergunta na parte da frente de um cartão e no verso a resposta. A intenção é ler a pergunta e responder corretamente sem visualizar o que está escrito atrás.

Tanto a montagem quanto a revisão dos flashcards auxiliam muito na memorização, eles ainda podem ser compartilhados em grupos de estudos onde os integrantes podem trocar os cards e estudar juntos. 

Use lápis e papel 

Utilizar lápis e papel para fazer anotações ainda é muito válido perante a dispositivos eletrônicos, como celular e o computador. 

O método é excelente para memorização. Isso porque você precisa escrever as palavras, estando em contato direto com o conteúdo e estimulando seu cérebro a lembrar daquilo, já que as anotações exigiram esforço físico maior do que digitar.

Faça resumos

É uma prática em que você exercita o que aprendeu, com suas palavras, do conteúdo estudado. 

Faça isso usando lápis e papel. Releia seus resumos nas revisões e retorne o material original para eventuais dúvidas. 

Os resumos precisam ser uma aula para si mesmo. Explique cada detalhe, faça associações completas de modo que, se fosse para explicar a alguém, a pessoa conseguiria aprender com facilidade.

Desenhe diagramas

Utilizar mais de um sentido durante o estudo é uma das melhores técnicas de memorização. Desenhar diagramas, por exemplo, ajudará você a visualizar informações que seriam difíceis de descrever. Isso cria uma memória visual em sua mente, que pode ser lembrada durante uma prova.

Utilize a técnica da corrente

Crie uma história ou frase em torno de uma informação para poder ser lembrada mais facilmente. Que tal lembrar da ordem dos planetas contando uma história sobre eles indo a um piquenique?

A história pode ser boba e divertida, mas pode se tornar uma técnica muito boa para memorização.

O Palácio das memórias

O método de Loci (plural de locus, espaço em latim), muitas vezes chamada de Palácio das Memórias é uns mais citados métodos de memorização. 

A técnica funciona da seguinte forma: O indivíduo deve construir uma casa (um palácio bem grande) em sua mente, com um caminho a ser percorrido dentro dela, pelos seus corredores e cômodos. Colocar cada pedaço de informação relevante (o que está sendo estudado) em um seu próprio cômodo.

Toda vez que ele for estudar, lembrar – se da rota que deve percorrer, explicando para si mesmo o que encontrará em cada local. Utilize vários elementos dos sistemas sensoriais para “decorar” cada quarto.

E aí o que achou destas técnicas? É uma boa forma de estudar para concursos??

Vimos acima que as técnicas de memorização podem sim nos auxiliar nos estudos para concursos.  Dentre estas técnicas ainda temos alguns métodos complementares que ajudarão na memorização de conceitos, palavras e assuntos que poderão cair nas suas provas. 

Método mneumônicos Mnemotécnica ou mnemônica

Os métodos mnemônicos são ferramentas de associação, táticas simples para usar no dia a dia e que ajudam a memorizar conteúdos.

A ideia é associar o conteúdo a algo que seja simples de memorizar e que se tenha acesso no dia a dia criando padrões e palavras com a informação que precisa lembrar.

Resumidamente é associar a primeira letra de cada item a uma palavra, frase ou rima para facilitar a recuperação da informação.

A técnica mnemônica utiliza acrônimos, acrósticos, canções, associações e palavras-chave para estimular o cérebro. 

Para as associações, pode se usar partes do corpo, palavras ou figuras. Associações estimulam o cérebro e consistem em uma maneira de você memorizar dados com mais precisão.

Acrônimos

Acrônimos são palavras formadas por letras que representam, por sua vez, outras palavras. A ferramenta de gestão CHA ((Conhecimento, Habilidade e Atitude) é um exemplo. 

Os acrônimos também são abreviações de nomes de organizações. Por exemplo, a Organização das Nações Unidas vira ONU.

Acrósticos

São frases formadas por palavras cuja primeira letra é a dica para o que precisa ser lembrado. Se você quer memorizar, por exemplo, os nomes dos bairros paulistanos Mooca, Penha, Belém e Carrão, pode gravar a frase “Meu Pai Bebe Café”.

Outro exemplo: SOCIDIVAPLU, que remete ao artigo 1° da Constituição Federal. 

SO de soberania

CI de cidadania

DI de dignidade da pessoa humana

VA de valor social do trabalho e da livre iniciativa

PLU de pluralismo político

Encadeamentos

Encadeamentos são estruturas em frases de palavras avulsas. Vamos supor que você tenha que memorizar as seguintes palavras: educação, futuro profissional e prova.

Estruturando-as em uma frase, você poderá tornar esse processo mais fácil: “A educação é muito importante para meu futuro profissional. Por isso, vou estudar bastante para a prova”.

Assim, para guardar elementos numa determinada ordem, crie esta frase narrativa com eles. O ideal é que cada item “puxe” o outro por associação.

Outro exemplo: palavras “menina”, “panela”, “doze”, “abóbora” e “verde”, você pode criar uma sentença como “A menina vendeu uma panela por doze reais ao plantador de abóboras, que ainda estão verdes”.

Em resumo, a estrutura de encadeamento traz lógica para as palavras avulsas, além de facilitar a fixação de uma ordem. 

Canções

As canções que são compostas com base no conteúdo da matéria estudada são outra técnica mnemônica. Onde também podem ser usados paródias do assunto estudado para memorizar o conteúdo.

Palavras-chave

Para os mais criativos, as palavras-chave podem ser uma ótima solução para memorizar conteúdos. 

Você pode utilizar palavras para criar, a partir de uma imagem visual, conseguir fazer a associação ao conteúdo que quer memorizar.

Mapa Mental 

Muito associado ao resumo, o mapa mental é eficiente porque se vale de informações visuais.

O mapa mental é feito com um tema central sendo ramificado por subtemas correlacionados. Eles são conectados por ligações. 

Com criatividade, você pode abusar de cores e outros elementos visuais para aprender determinado assunto.

A mesma conexão você fará com os subtemas, criando uma expansão das ideias e sempre interligando cada termo que tiver alguma relação. 

Isso criará “caminhos” até o tema central. Para cada tipo de ligação, associe a uma cor. Ou, para cada tipo de informação. 

As informações visuais serão mais uma maneira de seu cérebro guardar determinado assunto. Sem falar que, quanto mais abrangente seu mapa for, mais completo ele será, podendo, inclusive, incluir outras matérias. 

Se você for bom de desenho, abuse ainda mais da criatividade. O importante é você ter uma ferramenta completa para o aprendizado.

 E aí, memorizou?

Será que existem técnicas de memorização para concurso, capazes de fazermos lembrar de tudo?

O estudo exigirá que os candidatos usem a memória para lembrar ideias, conceitos e materiais para o dia da prova, mas memorização sozinha não trará todos os frutos, para ter o melhor desempenho nos estudos é importante o empenho completo do estudante assim como a compreensão significativa das matérias.

Os bons hábitos como sono regular, alimentação saudável, exercícios frequentes auxiliam na boa memoria 

Hábitos que contribuem para a Memorização

Vamos citar alguns hábitos que favorecem o nosso cérebro a reter mais informações. 

Manter o foco

Durante os estudos, é essencial que você mantenha o foco e não se distraia facilmente com o que acontece ao seu redor. Não utilize o celular enquanto estuda; não utilize o computador para navegar na internet, assistir vídeos ou entrar nas redes sociais; avise sua família que você vai estar estudando. 

Estabelecer um ritmo de estudos 

É importante que antes de começar a estudar, estabeleça um plano de estudos que determine os horários e datas que vai estudar, utilize de um cronograma para reservar horários determinados para cada conteúdo, assim coloque os estudos dentre os seus compromissos diários.

Organizar o espaço físico 

É necessário ter o local de estudos organizado, ele se tornará uma extensão da sua mente, um ambiente tranquilo e sem distrações para lhe auxiliar a manter o foco do seu objetivo.

Por isso, é importante que ele esteja isolado de distrações e seja um local onde você não seja incomodado enquanto estuda. 

Manter a organização da mesa e do ambiente é fundamental, já que tudo que estará na sua mesa além de livros, apostilas e cadernos, podem se tornar uma distração. 

Ter uma boa alimentação 

Um corpo saudável significa um cérebro saudável. 

Alimente-se bem, coma vegetais e frutas variadas; passe o dia bem alimentado e beba água com frequência para se manter hidratado.

Há alimentos que possuem substâncias que previnem a perda de memória e ajudam a manter a concentração e desenvolvimento cognitivo do corpo e cérebro. Se for necessário procure um profissional da área de nutrição para lhe orientar e criar um cardápio correto. 

Respeitar os momentos de pausa e descanso 

É preciso ter boas noites de sono, horários de descanso e momentos de distrações para descansar o cérebro e o corpo.

Quando estiver sentindo que seu rendimento está reduzindo, não se force a continuar estudando, estudar demais pode mais prejudicar do que ajudar, assim durante os estudos procure reservar também alguns minutos de descanso para que não sobrecarregue o cérebro e consequentemente a sua memória.

Os momentos de descanso não são um tempo em vão. Eles servem para que sua mente assimile melhor o que aprendeu. 

Fazer exercícios físicos

Reserve um tempo em sua rotina de estudos para se exercitar, desde pequenas corridas ou caminhadas a até mesmo meditação ou yoga.

Quando estudamos, tendemos a ficar sentados e a tencionar o pescoço e os ombros, e uma boa recomendação para evitar esse desconforto e prevenir problemas musculares e de postura é fazer um alongamento antes e durante os estudos.

Os exercícios físicos são essenciais para manter o corpo ativo e saudável, além de poder auxiliar no combate do estresse e ansiedade. 

Manter a calma

A ansiedade é um dos motivos que prejudicam a memorização e consequentemente os estudos. Ela não permite que a mente foque o agora e gasta as energias que deveriam ser usadas para aprender pensando no futuro sobrecarregando a mente e o corpo com possibilidades negativas como: não ir bem na prova, não passar no exame, não conseguir terminar os estudos, não ter tempo para estudar, etc. 

É importante manter a calma e tentar fugir da ansiedade. Respeite o seu corpo, seja paciente com você mesmo, não faça aquilo além das suas possibilidades, estabeleça metas menores de acordo com as suas limitações

Assim, procure desenvolver hábitos como os citados acima para favorecer tanto a mente quanto o seu corpo sempre com o objetivo de obter um bom resultado sem transformar esse período de preparação para os concursos em um momento de estresse e sofrimento.

Acreditamos que os seus estudos estão a todo vapor com muita dedicação e você estará preparado para arrasar na prova!

Espero que volte aqui para acompanhar nossos blogs e aproveitar o que a Maxi Educa tem a oferecer. 

Abraços e contem conosco!

Qual sua dúvida ou comentário sobre esse conteúdo?

Os campos com (*) são obrigatórios e seu email não será publicado

Quer receber notícias sobre Concursos Abertos? Cadastre-se em nossa newsletter


    Sobre nós

    Somos o Instituto Maximize de Educação, uma empresa especializada na preparação de Apostilas em PDF e Cursos Online para Concursos Públicos e Vestibulares.

    Saiba mais